Noticias, Sem categoria

Pilates Fisioterapêutico atua na dor

Se você procura o bem estar físico o Pilates Fisioterapêutico pode ser a resposta para quem quer afastar a dor e viver sem doenças. Com influência da RPG Original e da Osteopatia, ele consegue através de exercícios controlar a dor as dores, sem uso de medicamentos.

Com oito anos de experiência nessa área, o fisioterapeuta Fernando Boaventura Costa recebe em sua clínica os mais diversos casos. “Trabalho pessoas com problemas de colunas, com hérnia de disco, tendinite, fibriomialgia, gestantes que sentem dores nas costas, pessoas com problemas de equilíbrio, coordenação de forças, cólicas mestruais, TPM”, diz o especialista que está no quinto ano de especialização em Osteopatia, na Escola de Madri, considerada a melhor da Europa. Com seis anos, o profissional conclui os estudos.

Ele tem que acompanhado de perto a evolução da Osteopatia conta que no Brasil ela vem sendo difundida e a cidade de Campinas é a primeira cidade do País a ter o tratamento na rede pública. O Hospital Ouro Verde recebe e trata os mais diversos casos. No Rio de Janeiro também já se aplica o tratamento.

A Osteopatia é recomendada pela Organização Mundial de Saúde. “Você tem um carro e com cinco mil quilômetros você precisa para, fazer alinhamento. A gente também tem uma máquina que é o nosso corpo. O objetivo da Osteopatia é atuar nos fatores causais e não na sintomatologia. Quando você tem um problema na coluna geralmente toma um anti-inflamatório O que só atua na dor, o que mascara o problema. A dor é nossa amiga, ela é como um alerta de incêndio. O que devemos fazer é ir na causa dessa dor”, comenta.

Segundo ele é importante atuar nos fatores causais, para isso utiliza a Osteopatia, que atua na raiz do problema. Para chegar a esses fatores Dr. Fernando conta que é feita uma avaliação minuciosa. “Para se ter sucesso no tratamento é necessário fazer uma avaliação muito precisa. Às vezes a pessoa chega a ficar quarenta e cinco minutos só conversando, respondendo perguntas para que a gente chegue a um diagnóstico.

Autor/Fonte: Liliane Pedrosa / Jornal Meio Norte. Em 30 de agosto de 2009.

Notícia anteriorPróxima notícia